30 janeiro, 2014

Não tenho passado aqui. Não tenho vontade. Não tenho forças sequer. Pronto, não me apetece. Tenho preferido o meu diário mais secreto, escrever com a minha própria letra, mais devagar e sem ter de estar fixada num ecrã com os dedos de um lado para o outro numa rapidez inconstante. Os meus queridos dias bipolares voltaram. É só isso e o mesmo de sempre. P*ta ironia. Não tenho conseguido (d)escrever como me sinto. Os dias tanto são bons como maus. Talvez seja eu que faça deles dias cinzentos, com a minha mania de dizer que tudo está mal quando na verdade, talvez, até esteja bem... Nhé, vou estudar para me distrair, já que o dia hoje hoje é mesmo cinzento. Raios partam, estou farta de ser ignorante. Até...

04 dezembro, 2013

Christmas time...

Que cheirinho a Natal! Adoro este mês, e hoje já é dia 4. Sinceramente não me apeteceu vir cá no dia 1, para dar as "boas vindas" a dezembro... Tenho-me sentido cansada e sem paciência para escrever. Prefiro deitar-me na cama a ouvir música e pensar nas coisas boas da vida. Só as boas. Finalmente só faltam duas semanas para os papás chegarem, a única coisa que me deixa triste é que o meu irmão não vem. Sinto-me tão triste quando me ponho a pensar nisso, já não passamos o Natal juntos à imenso tempo, diria eu que este é o terceiro ou quarto ano consecutivo e isso deixa-me completamente desolada. Ninguém percebe. Toda a gente diz que ele tem a vida dele agora, claro que sim, e compreendo perfeitamente isso, mas ninguém é capaz de compreender aquilo que eu sinto, a dor que eu sinto. O Natal é uma época especial, (re) lembramos as melhores coisas e momentos da vida, e quando olho para o lugar dele na mesa e percebo que ele não está ali... dói. Dói porque eu queria que ele estivesse comigo. Queria muito. Faz-me tanta falta o abraço dele... Mas bom, é melhor ficar por aqui antes que comece com pieguices e desate a chorar. Também só faltam duas semanas para este período escolar terminar, estou ansiosa que cheguem as férias porque estou mesmo farta da escola. Quero o meu tempo e o meu espaço, no meu cantinho...
Acabei de dar um suspiro, estava a pensar numa coisa que ia escrever mas arrependi-me. Também só ia dizer que continuo com saudades tuas. As tuas últimas palavras não me saem do pensamento e sempre que te vejo lembro-me dessas últimas conversas. Continuo paranóica relativamente a este assunto né. Por isso, vou "desligar-me" e até amanhã ou depois.  

27 novembro, 2013

rotina...

O teste de Geografia C correu péssimamente mal. Deu-me uma branca a meio do teste, só me conseguia lembrar de algumas palavras e não conseguia formar frases. Sabia as coisinhas todas na ponta da língua, mas já era de prever porque me acontece sempre a mesma coisa. Dava por mim, pensativa, a olhar para a janela. Queria tirar-te da cabeça e não conseguia. Não consigo. Os últimos dias têm sido assim, tanto quero como não quero, como volto a querer e depois não sou capaz de perceber aquilo que eu realmente quero. Nem sequer sei o que estou a fazer. Não me devia lembrar tantas vezes de ti como lembro, ou talvez não me queria lembrar... 
Hoje voltei a encontrar-te, sei que me viste, sei que me olhaste. Pareceu-me que os teus olhos eram os mesmos, aqueles com que me olhavas quando estavas perto de mim. Quando olhavas nos meus e dizias "estou contigo". Se calhar foi só impressão minha, mas senti que não foi. Queria desviar os meus olhos mas a força deles supera-me por vezes... Ontem senti um aperto enorme, um nó na garganta, uma vontade de te ligar e dizer-te tudo o que estava a sentir e que tenho sentido, e tu sabes porquê... Sei que entendes os meus olhares. Sei que sabes que penso em ti, que simplesmente me lembro de ti. Posso não to dizer diretamente que me fazes uma falta danada, mas tenho a certeza que pões isso em questão na tua cabeça. Pensas que estou a pensar em ti?! Determinados pormenores fazem-te lembrar de mim? Fazem-te pensar que também me lembro de ti?! E como sempre: é todos os dias a mesma coisa... fazes-me falta.

I will wait, i will wait for you... come back*

25 novembro, 2013

todos os dias a mesma coisa

Hoje o dia correu normal. A mesma rotina todos os dias, a gente já se acostumou né. Voltei a ver-te, já era de esperar, visto que andamos na mesma escola. Mas talvez a maior parte das vezes eu tente sempre fingir que não te vejo, desviar logo o olhar para não cair na tentação de ficar alguns segundos a olhar para ti, às vezes esses segundos parecem imensos. E eu gosto, só que acho que não me faz bem. Não, porque me deixa incomodada, de certa forma. Não consigo explicar. Adoro os teus olhos, sempre to disse. Eles sempre me disseram muita coisa, não precisavas de dizer qualquer palavra, bastava olhares para os meus dois segundos que eu entendia tudo o que me querias dizer naquele momento. Tenho saudades desses bons tempos. Desses tempos em que eras a única parte boa na minha vida, porque tudo o resto estava virado do avesso. Agora as coisas inverteram-se. Nós (ou tu) estamos mal, e tudo o resto está bem. Os teus abraços fazem-me uma falta imensa. Os desabafos. As chamadas até de madrugada. Tenho-me sentido patéticamente estranha em relação a tudo isto, eu pensei mesmo que jamais me iria voltar a lamentar ou a sentir saudade do que quer que fosse que tivesse a ver contigo, mas é que a vida é mesmo irónica e vai sempre contra aquilo que queremos. Tanto nos dá coisas boas, como nos tira, e volta a dar-nos coisas más. Não entendo. Mas sinto falta. Acho que isso é a única coisa que consigo entender. É que sinto falta. Só isso, porque a explicação para tal também não entendo. Nem a encontro sequer. Irónico mesmo, mas eu sou assim. Sei que podia ir ter contigo, sei que te podia ligar, sei que podia dar o braço a torcer, desculpa por não o fazer e me estar a lamentar constantemente, mas não consigo fazê-lo, não sou capaz e sim, também não entendo porquê. Tenho medo, acho que é isso. Medo não sei do quê, mas tenho... Às vezes um abraço inesperado caía mesmo bem. Ou uma simples chamada. Vida madrasta... Vou continuar no meu cantiinho, a lembrar-me de ti e a viver na esperança de que um dia as coisas se voltem a recompor... E mais uma vez, fazes-me muita falta* e desculpa a minha ignorância. É todos os dias a mesma coisa, não te tenho e tenho-te tanto... 

23 novembro, 2013

(seiquenãopassa)


Esta última semana passou a correr. Esta, foi uma semana de campanha escolar, e que bem que correu! Correu tudo tranquilamente bem, nada de anormal, nada de diferente... 
Está frio, muito frio. Já se sente o Natal pertinho, e eu que já não aguentava esperar mais fui buscar as coisinhas de natal para enfeitar o pinheirinho. Dá outro ambiente completamente diferente à casa. Adoro o Natal. Adoro as luzes. Adoro o frio lá fora e o quente dentro de casa. Adoro cobertores, muitos cobertores. Adoro lareiras. Adoro o quentinho com ele. Adoro o meu cantinho, o nosso cantinho. Adoro aconchegar-me no abraço dele. Adoro os beijos. O carinho que me aquece. Adoro os chocolates.

Estou sem vontade de escrever, mas com vontade de dizer imensa coisa. Ou talvez só pensar. E talvez seja mesmo melhor só pensar, não vá eu começar a disparatar sobre coisas que não queira, de certo modo, falar. É que, ou depois não consigo parar, ou então vou dizer coisas sem qualquer sentido. Por isso é que às vezes é sempre bom pensarmos um bocadinho naquilo que vamos dizer, antes de o fazermos. Por isso estou no ir, estou cansada e com sono mas não quero ir já dormir. Coisas estúpidas da Carina.
Uma coisa que me anda a inquietar é a falta que sinto tua. Não consigo perceber esta coisa estranha que tenho sentido, esta falta... Qualquer pormenor mínimo me leva a ti. Não entendo porquê. Parece que eu te procuro à força toda, mesmo que não queira. Parece mesmo que quero sentir a tua falta. A verdade é que quero, e sinto. Não consigo explicar. À um segundo atrás queria dizer-te o quanto gosto de ti, como neste preciso momento já me teria arrependido se o tivesse feito. Agora já era capaz de o fazer outra vez. Estás a ver?! Não sei se também sentes a minha falta, ou se também tens pensado em mim. Fazes-me falta, fazes mesmo, e cada vez mais. Mas não te posso procurar... Mas quero. Ou queria. Ainda quero... Tenho de parar com isto, com estes pensamentos e com estes desejos parvos de te querer por perto. Estás bem aí, assim como eu estou bem aqui... Espero eu... Mas não sei se estou bem assim. Deixa passar o tempo... Creio que passa... Ou talvez não... Tenho de ir, tenho de parar de pensar nisto. Mas um beijo grande, e um abraço forte daqueles que tu sabes... 

08 novembro, 2013

merd@s da vida... (+ lamentar)

Não era suposto ela ter-me encontrado com a cara borrada e os olhos vermelhos da força que estava a fazer para que as lágrimas não caíssem. Bateu à porta do meu quarto, eu respondi "vou já, estou ao telemóvel" e continuei a falar com o meu papá. Ela entrou, eu disse que não demorava e ela fechou  e voltou a abrir a porta e perguntou-me se eu estava a chorar. Óbvio que respondi que não. Estava a tentar controlar-me. Acho mesmo que até forcei um sorriso. Desliguei a chamada e ela sentou-se na minha cama. Eu estava sentada no chão. Mal ela me perguntou o que se passava eu desatei a chorar, desabafei tudo o que estava a sentir. Ela compreendeu-me, não de todo, mas sei que me compreendeu o suficiente para me fazer sentir muito melhor. Não me sinto tão bem a falar com alguém como com ela. Só não queria que tivesse sido hoje, talvez não quisesse nunca, detesto que me vejam chorar, mas tenho a certeza que ela (tentou) compreendeu todos os meus motivos e todas as minhas lágrimas. Todas as palavras me fizeram sentir melhor, mas não curam nada do que sinto. A minha vida está tão bem, como do outro lado está uma valente porcaria. Não sei o que fazer, já não consigo pensar mais, e o pior de tudo é que sei que ninguém me pode ajudar. Apenas posso ouvir conselhos, mas nunca irei saber quais serão as escolhas certas. Acho mesmo que sejam quais forem as minhas escolhas, nenhuma será a mais acertada. Acho que todas elas têm tantas coisas boas como más, daí ser tudo a mesma merda. Depois de me ter acalmando um bocadinho levantei-me e tomei um comprimido. Não conseguia parar de tremer e sentia que a minha cabeça ia explodir. Jantei e agora já me sinto melhor. Obrigada S.
Tanto acho que durante a semana não se passou nada, como me ponho a refletir e de repente surgem-me mil e uma coisas na cabeça. Nem sequer sei por onde devo começar. Devo começar pelo facto de mais uma discussão?! Ou uma conversa que acabou numa discussão, que vai dar ao mesmo (como sempre). Parágrafo nesse assunto. Não tive testes esta semana, acho que dormi mais esta semana do que num mês inteiro "normal". Não estava muito habituada a dormir durante a tarde, mas esta semana soube-me que foi uma maravilha, e então com este frio é que sabe bem. Hoje recebi o famoso teste de história A. A nota?! Foi positiva, 10, até nem estava à espera, mas quero ver os próximos resultados para poder comparar. Quanto ao trabalho de grupo de psicologia B, na minha avaliação individual a prof. deu-me 16.1, fiquei contente, porque o trabalho estava um porcaria mesmo, e visto que o trabalho iria contar como um teste, não podia ser melhor. Para acabar, e da mesma maneira que acabo sempre as minhas coisinhas, há dias em que me sinto uma merda e que não valho nada para ninguém. A única pessoa que tem estado comigo a 500% é o meu namorado, felizmente, haja alguma coisa de bem na minha vida... (Obrigada amor.) 
E como o dia não podia ter acabado da pior maneira, vou agora mesmo enfiar-me no sofá e, certamente, deprimir, coisa que eu tanto gosto, é uma sensação de "prazer" em cultivar o que sinto, para me sentir pior, mas melhor. Oh, coisas minhas...

aiii mano, se soubesses a falta que me fazes aqui... :(((

27 outubro, 2013

27out - 2!

Não poderia estar mais feliz. Hoje é dia 27, o nosso dia 27 amor. Maravilhoso, nem consigo acreditar! Não preciso de me pôr aqui com rodeios, dizer coisas bonitas e tudo aquilo que toda a gente diz, porque tudo o que eu te quero dizer faço-o todos os dias a qualquer momento, por vezes até quando acordo a meio da noite, e tu sabes. Não preciso de dizer todas aquelas palavras que quase estão gastas de as pessoas tanto as dizerem de forma tão natural, muitas vezes sem sentirem aquilo que dizem, por isso, acaba por estar a perder o seu valor. Por isso, tudo o que tiver de dizer, digo-to a ti, porque a história é "eu e tu", logo, só nós é que sabemos um do outro. Nestes dois anos ao teu lado cresci muito, só te posso agradecer aquilo que me ensinaste e o que fizeste por mim e para mim. Obrigada amor, amo-te de uma maneira que ninguém entende... Que seja sempre assim, sabes bem! 

Erros ficam no passado. Quando páro e o olho nos olhos, esqueço todas as coisas más do passado. É como se deixasse de existir o ciúme irracional e aquela raiva repulsiva que sinto quando me lembro dos maus momentos. Mas foram esses momentos que me mostraram realmente o quanto gosto dele. Confesso que nunca senti tanto medo de saber que posso perder alguém, assim como nunca senti tanta necessidade de abraçar e amar alguém... Quando amamos sentimo-nos frágeis, ficamos completamente transparentes à outra pessoa. Estou feliz, só espero que esta sensação de felicidade permaneça por uns tempinhos e que não venham coisas atormentar-me a cabeça. Preciso do meu espaço, por favor. Até amanhã, e parabéns para mim e para o meu amor por estes dois anos maravilhosos!

23 outubro, 2013

coisinhas + ♥

O teste está feito, correu mais ou menos. Nhé. Vamos ver quanto é que a prof vai descontar desta vez. Estou cansada. Hoje a manhã passou muito devagar. Finalmente passei a tarde com ele, e que bem que soube. Por incrível que parece já estou a morrer de saudades. É que ficar deitada no peito dele é do melhor, enquanto ele tentava passar de nível num jogo no meu telemóvel eu deitei a cabeça no ombro dele e fechei os olhos por uns segundos e imaginei como seria perfeito que todos os dias fossem assim, sempre assim. É uma forma de me sentir ainda mais segura, é um bem que me faz, nem eu própria entendo. Só sei que é a única coisa que me faz sentir completamente bem, no meio de tudo tenho-o a ele, felizmente, muito felizmente! Ao menos consegue arrancar-me uns sorrisos bem verdadeiros com as parvoíces que diz. Passamos o tempo a brincar um com o outro, tão bom. Ainda por cima estava frio... Cheguei a casa com uma dor de cabeça enorme. Agora estou cansada e tudo o que me apetece é dormir, dormir e mais dormir. Sinceramente acho que passo mais tempo a dormir do que acordada. Vou fazer alguma coisa, até amanhã.



Estou completamente viciada nesta música, acho-a tão intensa... Talvez por também gostar muito do Luan... Estou apaixonada!!! ♥ Outra vez para mim e para o meu amor :') 

"muito mais que um dia eu sonhei pra mim"......